História de Seu Dunga, 83 anos, o inspetor que prendeu assassinos e ladrões sem bater nem atirar.

Seu Dunga, 83 anos, é uma das pessoas mais respeitadas em Iaçu, Santa Teresinha e Itatim.

Seu Dunga, 83 anos, é uma das pessoas mais respeitadas em Iaçu, Santa Teresinha e Itatim. Talvez seja o último inspetor de quarteirão da Bahia e do Brasil. Hoje ele conta ao site Meus Sertões como evitou o assassinato de um prefeito e de um vice, casou jovens “desfloradas”, prendeu assassinos e ladrões sem bater nem atirar. Uma história sensacional.

A figura do inspetor de quarteirão surgiu em 1827, cinco anos após a Independência do Brasil, com o objetivo de garantir a lei e a ordem. Era a primeira instância de policiamento. Os inspetores tinham autoridade para efetuar prisões em flagrante, manter a ordem pública e os bons costumes. Em 1832, tiveram suas atividades regulamentadas e passaram também a fazer investigações, dar conselhos e resolver conflitos entre vizinhos,

No sertão, a jurisdição passava de um quarteirão para áreas com mais de 100 quilômetros de extensão. A função começou a perder importância a partir da Constituição de 1988 e foi extinta em vários estados. Já na Bahia existe pelo menos um inspetor de quarteirão até hoje. É Laurindo Barbosa Nascimento, o Seu Dunga, 83 anos. Esta é a história dele.

Portaria nomeia seu Dunga, inspetor de quarteirão de Lajedo Alto, em Iaçu.
O APELIDO

Laurindo nasceu na Fazenda Jurema, em Castro Alves, no dia 12 de agosto de 1934. Quando criança, o pai brincava com ele, balançando-o enquanto repetia “Dunga, Dunga, Dunga”. O apelido pegou. Nascido e criado na roça, seguia lavrando a terra quando ganhou a primeira portaria que o nomeava inspetor de quarteirão aos 24 anos.

“Naquele tempo a gente fazia um juramento perante os chefões e era nomeado. Eu comandava toda região entre Santa Teresinha e Maracás (125 km em linha reta) e Marcionílio de Souza (139 km em linha reta). Andava tudo isso, dependendo de ter uma intimação para levar a um senhor ou para ir na captura de algum elemento” – conta.

Nesse tempo, as terras que possuía ficavam no município de Santa Teresinha. Com a portaria de inspetor passou a acumular a função de subdelegado depois que o coronel PM da reserva Zé Raimundo brigou com seu antecessor, tomou as chaves da delegacia e as deu para Dunga. Ficou assim por 10 anos, sem nunca ter ganho oficialmente o cargo.

Também em 1958, Iaçu se emancipou. E Dunga recebeu das mãos do “coronel” Jove Campos Flores, pai da ex-prefeita de Santa Teresinha Maria Eunice, outra portaria de inspetor de quarteirão com jurisdição no novo município, em Lajedo Alto.

Em Santa Teresinha, trabalhava subordinado ao delegado Afonso Messias de Figueiredo. Na outra cidade, seu parceiro era o Sargento Ubaldo.

—> MATÉRIA COMPLETA <—

DEIXE UMA RESPOSTA